Notícias

Circular da ANVISA sobre exercício da optometria e informações inverídicas compartilhadas

Circular da ANVISA sobre exercício da optometria e informações inverídicas compartilhadas

Prezados médicos oftalmologistas, na última semana foi compartilhado por algumas entidades que a Anvisa emitiu uma circular afirmando que optometristas podem realizar a prescrição de lentes de grau e outros atos previstos na Classificação Brasileira de Ocupações.

No entanto, o que se verifica é que foram compartilhados somente trechos desta circular com fins de manipulação da informação, para que se afirme que optometristas podem realizar a prescrição de lentes de grau para tratamento de patologias oculares.

Na verdade, o que a Anvisa afirma em sua circular é justamente o que foi decidido no julgamento da ADPF 131, que as vedações dos decretos 20.931/32 e 24.492/34 não se aplicam aos optometristas com graduação de ensino superior em optometria.

A circular emitida pela Anvisa diz que optometristas podem realizar a prescrição de órteses e próteses oftalmológicas que por suas especificidades não requeiram indicação médica. Na prática,  nenhum optometrista pode realizar  prescrição de lentes de grau, pois o uso destas  é tão somente indicado para aquelas pessoas diagnosticadas com determinadas patologias oculares, passíveis de tratamento por meio do uso de lentes de grau.

Só se pode indicar o uso de lentes de grau após ser diagnosticada a patologia ocular que está alterando a visão do paciente e somente médicos podem diagnosticar estas doenças e prescrever o tratamento adequado, assim prevê a lei.

Logo, não existem órteses e próteses oftalmológicas onde sua prescrição não necessite de uma indicação médica.

Ademais, quanto as atribuições aos optometristas previstas na Classificação Brasileira de Ocupações, o CBO informa que o Superior Tribunal de Justiça, por meio do Recurso Especial: 1169991 RO 2009/0239906-5, Relatora: Ministra ELIANA CALMON, já declarou que a Classificação Brasileira de Ocupações é inconstitucional, pois prevê atribuições aos optometristas que na verdade são privativos dos profissionais da medicina.

Em suma, optometristas continuam sem autorização legal para realizar exames de vista, diagnóstico de patologias e prescrição de lentes de grau, onde o único profissional que pode realizar estes atos é o médico oftalmologista.

Em razão disto, o CBO ressalta que o julgamento da ADPF 131 não autorizou que optometristas prescrevam lentes e grau e informa que continua recebendo denúncias sobre a atuação ilegal de optometristas.

Não pode os médicos e a população serem enganadas com mentiras como esta ventilada sobre a circular emitida pela Anvisa.

Atenciosamente,

Talvez te interesse também:

 
Direto ao Ponto #CBO2019 entrevista Paulo Schor

Notícias

Direto ao Ponto #CBO2019 entrevista Paulo Schor

Direto ao Ponto #CBO2019 entrevista Paulo Schor...

Departamento Jurídico do CBO na defesa do ato médico e da saúde ocular da população

Notícias

Departamento Jurídico do CBO na defesa do ato médico e da saúde ocular da população

Departamento Jurídico do CBO na defesa do ato médico e da saúde ocular da população...

Sociedade Portuguesa de Oftalmologia oferece inscrição gratuita aos associados do CBO

Notícias

Sociedade Portuguesa de Oftalmologia oferece inscrição gratuita aos associados do CBO

Sociedade Portuguesa de Oftalmologia oferece inscrição gratuita aos associados do CBO...

Top