Notícias

ROGÉRIO LACERDA SE DESPEDE DA OFTALMOLOGIA

ROGÉRIO LACERDA SE DESPEDE DA OFTALMOLOGIA

                         “Quem, em seu verbo inconsútil,

                        Há de orar: - Deus o tenha em sua guarda. ”      

                        (A Hora Íntima, Vinicius de Moraes)

 

É claro que os amigos sempre nos deixam antecipadamente, a morte não lhes chega nunca em data aceitável ou menos traumática. Não que exista uma data cômoda para o adeus derradeiro, pois as pessoas queridas sempre partem precocemente, não importa a extensão dos anos vividos. Não aconteceu diferente com o Colega e amigo Rogério da Rocha Lacerda.

Rogério nasceu em 27 de outubro de 1947, na cidade do Rio de Janeiro, filho de Otoniel Lacerda e Zuleika da Rocha Lacerda. Faleceu aos 76 anos, em 1º de março de 2024, em Belo Horizonte. Deixa a companheira de todos esses anos, Sílvia de Paula Pinto (Silvinha).

Graduou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo, em 1974. Especializou-se em Oftalmologia (1975/1977) no Curso Credenciado de Especialização do Hospital São Geraldo (Serviço do Professor Hilton Rocha – (FMUFMG). No ano seguinte a sua especialização (1978), doutorou-se em Oftalmologia ainda pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (Hospital São Geraldo). Sua tese, versou sobre “Uveíte experimental em cobaias com antígeno retiniano homólogo e heterólogo: estudo imunológoico”. A banca examinadora, presidida pelo Professor Hilton Rocha, reunia os professores Christiano Barsante, Jacó Lavinsky, João Agostini Neto e Lucyr Antunes. Talentoso e estudioso, sempre atento às conquistas de sua especialidade, após defender sua tese, partiu para Paris, permanecendo lá por dois anos (1978-1979), dedicando-se ao preparo e apresentação do pós-doutorado no Hôtel Dieu.

Nunca é demais falar da importância médica, didática e de pesquisa do Hospital São Geraldo. Fundado em 1922, sempre esteve na vanguarda do ensino e pesquisas oftalmológicas e, até os dias de hoje, permanece como uma das mais notáveis referências da Oftalmologia Brasileira pela invulgar capacidade profissional e acadêmica dos seus Mestres e pela altíssima qualidade do ensino especializado ali ministrado.

Em dezembro de 1979, Rogério passou a integrar o grupo de assistentes do Professor Hilton Rocha no recém-inaugurado Instituto Hilton Rocha, permanecendo aí até 1994, na chefia do Departamento de Uveítes.

Em 1994 transferiu-se para o Instituto de Olhos de Belo Horizonte (IOBH), inaugurado em 1992, onde chefiou o Departamento de Uveítes. Nesse período coordenou, também, o Serviço de Uveítes da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte. Exerceu sua atividade médica no IOBH até julho/23, quando se afastou para dar atenção integral a sua doença.

Clínico e pesquisador atentos, deixa uma extensa relação de publicações, sempre alinhadas com a evolução e conquistas da especialidade.

De todo seu extenso curriculum, registramos apenas uma pequena mostra do alto nível científico da valiosa contribuição de Rogério Lacerda ao estudo, pesquisa e divulgação da Oftalmologia e da Uveologia, sua especialidade.

>Doença de Behçet. Estudo clínico e imunológico. Acompanhamento de 42 casos ao longo de dez anos. Estudo sequencial.

>Possível associação entre melanoma maligno de coroide e Síndrome de Vogt-Koyanagi-Harada.

>Uveíte intermediária (pars planite). Estudo clínico Acompanhamento de 58 casos ao longo de oito anos.

>Necrose retiniana aguda. Estudo clínico de doze casos.

>Síndrome de Vogt-Koyanagi-Harada. Estudo clínico. Acompanhamento de 38 casos ao longo de dez anos.

>Uveíte e artrite reumatóide juvenil. Estudo clínico. Acompanhamento de 14 casos ao longo de treze anos.

>Síndrome de Vogt-Koyanagy-Harada e esclerite.

>AgS e uveíte endógena humana. Um assunto polêmico.

>Toxocaríase ocular. Acompanhamento de 36 casos. Estudo sequencial.

>Neurorrtetinite associada ao herpes zoster em paciente imunocompetente.

>Vitrectomia em pacientes com pars planite e edema cístico macular: quando indicá-la.

>Eficácia da ciclosporina no tratamento de diversas uveítes crônicas não-infecciosas. Estudo sequencial.

>Neurite óptica e hepatite A: relato de caso.

>Retinite toxoplásmica externa.

 

Além de sua frequente assinatura de trabalhos em revistas nacionais (Revista Brasileira de Oftalmologia e Arquivos Brasileiros de Oftalmologia) e internacionais, Rogério é autor de vários capítulos sobre Uveítes para livros da nossa especialidade.

Talentoso, Rogério sempre se destacou por seu estilo sóbrio, claro e objetivo de escrever, de dar aulas e proferir palestras e conferências, repassando, na medida certa, o estritamente necessário e atual, dispensando-se   da inútil exibição de conhecimentos supérfluos.

Os oftalmologistas que formou, seus alunos, clientes, leitores e companheiros de trabalho atestam sua dedicação ao enriquecimento da Oftalmologia e da subespecialidade (Uveologia), as quais praticou e ensinou com notável conhecimento, proficiência e raro senso de responsabilidade.

Teríamos ainda muito que falar da atividade profissional e acadêmica do Rogério. Mas a excelência do que registramos aqui basta para nos dar uma pista da excepcional qualidade que permeia toda sua obra, tanto no campo do exercício profissional, como no do ensino e da pesquisa.

Poderia (e deveria) ter vivido mais, sem dúvidas. O talento, especialmente no caso do Rogério, sempre reclama, e com muita razão, da exiguidade do tempo. A Oftalmologia, Colegas, amigos e clientes perdem um Mestre, um companheiro de excepcionais méritos, de lealdade franciscana, um médico vocacionado para servir, além de visceral e intransigentemente ético. Tal e qual seu tio, o saudoso Professor Hilton Rocha, Rogério dedicou-se, com irrepreensível apego,  a enriquecer, dignificar e honrar a nobre profissão que abraçou e exerceu – a Medicina.

Rogério Lacerda, pelo muito que fez de bom e pelo bem que semeou com tanta prodigalidade, deve ter travado o diálogo final que Manuel Bandeira, o grande vate pernambucano, imaginava  manter com a  Indesejada: ”Alô, Iniludível, pode a noite descer (A noite com seus sortilégios). Encontrará lavrado o campo, a casa limpa, a mesa posta, com cada coisa em seu lugar”.

Em meu nome, em nome dos Colegas do Instituto de Olhos de Belo Horizonte (IOBH), em nome do Conselho Brasileiro de Oftalmologia e de toda a Oftalmologia brasileira, e em nome da multidão de clientes e amigos que Rogério serviu e cativou, queremos dizer à viúva Silvinha, sua doce e dedicada companheira, que Rogério, ao partir, deixa-nos um profundo sentimento de saudade, de pesar e uma imperecível gratidão. Esses sentimentos estão definitivamente incrustrados em nossa memória e em nossos corações.

Elisabeto Ribeiro Gonçalves

Diretor Clínico e Chefe do Departamento de Retina e Vítreo do Instituto de Olhos de Belo Horizonte

Ex-presidente do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (gestão 2003/2005)

Talvez te interesse também:

 
Nova Resolução do CFM ressalta limites éticos ao uso de mídias sociais por médicos

Notícias

Nova Resolução do CFM ressalta limites éticos ao uso de mídias sociais por médicos

Texto altera resolução 1.974 de 2011 que regulamenta a publicidade médica....

XXXV Congresso do Hospital São Geraldo

Notícias

XXXV Congresso do Hospital São Geraldo

Realizado em Belo Horizonte, evento foi promovido pela Associação dos Ex-Residentes e Estagiários do Hospital São Geraldo....

Assessoria jurídica do CBO se expande às sociedades estaduais de oftalmologia

Notícias

Assessoria jurídica do CBO se expande às sociedades estaduais de oftalmologia

Projeto levará a estrutura de atendimento aos estados para capilarizar acesso ao atendimento jurídico....

Top